Seca no Canal do Panamá: desafios para o comércio mundial

Manuel Yagüe

Ultima atualização: February 22, 2024 | 3 min

Transportando mais de 14.000 contêineres com um total de US$ 270 bilhões em carga por ano, o Canal do Panamá é talvez uma das peças mais importantes do quebra-cabeça da cadeia de suprimentos. Mas o que acontece quando as secas secam os trânsitos por esse ponto de passagem essencial para o comércio global?

Neste artigo, Manuel Yagüe , explora como as empresas devem reagir a essa última crise do ecossistema de supply chain.

Tenho um grande amigo que mora no Panamá. Há um ano, nós o visitamos e aproveitamos a oportunidade para conhecer a seção Miraflores Locks do Canal do Panamá.

Quando saímos dessas magníficas instalações, pensei que minha relação com o canal terminaria com minha visita à cidade e que os navios continuariam a transitar por essa maravilhosa façanha da engenharia humana que liga os oceanos Atlântico e Pacífico, evitando milhões de milhas náuticas, milhões de litros de combustível e muitos dias no mar para os navios que transportam mercadorias.

No entanto, nas últimas semanas, essa infraestrutura causou grandes transtornos na vida de todos os envolvidos no setor da cadeia de suprimentos, devido às condições extremas de seca que estão ocorrendo no país da América Central. Consequentemente, o tráfego marítimo está muito menos fluido do que o normal.

Portanto, todos nós precisamos considerar o impacto que essa situação vem tendo em nossas operações de cadeia de suprimentos e pensar em como gerenciar a situação da forma mais eficiente e eficaz possível.

New call-to-action

O Canal do Panamá em números

Antes de nos aprofundarmos sobre o que está acontecendo com o Canal do Panamá e em como isso está afetando o transporte global de cargas, é interessante analisar alguns números que ilustram a escala dessa infraestrutura e seu papel no comércio internacional.

  • Apesar das inúmeras interrupções na cadeia de suprimentos, o Canal do Panamá estabeleceu um recorde de tráfego de embarcações em seu ano fiscal de 2022 (de 1º de outubro de 2021 a 30 de setembro de 2022). Essa atividade recorde se traduziu em 14.239 embarcações transitando pelo canal, o que equivale a 897 embarcações a mais, ano a ano.
  • As receitas do Canal do Panamá atingiram o recorde histórico de US$ 3,028 bilhões.
  • Cerca de 6% do comércio mundial passa pelo Canal do Panamá.

Todos esses números colocam o Canal do Panamá como uma das etapas vitais para o funcionamento adequado do comércio internacional e da economia global, juntamente com outras infraestruturas, como o Canal de Suez, ou rotas como o Estreito de Ormuz e Malaca.

Situação Atual Do Canal Do Panamá

 

Qual é a situação atual do Canal do Panamá?

Em termos gerais, a situação atual do Canal do Panamá é que o tráfego marítimo diminuiu devido à seca no país. Consequentemente, o tráfego diário diminuiu para apenas 32 navios por dia. Como o tráfego se acumula em ambos os lados do canal, o atraso chegou a 22 dias. Isso significa que agora leva o mesmo tempo para atravessar o Canal do Panamá que para navegar ao redor do continente sul-americano pelo cone sul.

Nas últimas semanas, houve um acúmulo muito maior de navios do que o normal esperando para cruzar o canal em ambas as direções. De fato, em agosto de 2023, o tempo de espera para entrar no canal foi de pouco mais de 11 dias, enquanto no mesmo mês de 2022 foi de aproximadamente 3 dias.

O impacto das mudanças climáticas nas operações da cadeia de suprimentos

As mudanças climáticas são, sem dúvida, uns dos maiores desafios de nosso tempo. São um fenômeno que tem o potencial de alterar absolutamente tudo. E a cadeia de suprimentos claramente não é exceção. Aqui estão alguns dos efeitos que as mudanças climáticas podem ter no processo da cadeia de suprimentos.

Eventos climáticos extremos

Esse é o efeito mais óbvio e está na raiz da situação atual do Canal do Panamá. O aumento das temperaturas globais levou a um aumento de eventos climáticos extremos, como furacões, enchentes e secas. Esses eventos podem interromper gravemente as operações da cadeia de suprimentos, danificando infraestruturas, como estradas, portos, armazéns e canais, e podem atrasar ou até mesmo danificar as remessas de mercadorias.

Aumento dos custos operacionais

A necessidade de adaptação a condições climáticas extremas leva ao aumento dos custos operacionais na cadeia de suprimentos. Isso pode incluir investimentos em infraestrutura resistente ao clima, seguros mais caros e despesas adicionais necessárias para garantir que as operações continuem sem problemas durante eventos climáticos severos.

Regulamentações mais rígidas

Os governos e as organizações internacionais estão implementando regulamentações mais rigorosas relacionadas à sustentabilidade e às emissões de carbono. As empresas podem ser afetadas por essas regulamentações, o que exige mudanças na forma como operam e, principalmente, em suas cadeias de suprimentos.

 

Consequências da seca no Canal do Panamá para o gerenciamento de estoques

A esta altura, você deve estar se perguntando: como tudo isso afeta minha própria cadeia de suprimentos? Bem, se você é um profissional da cadeia de suprimentos, deve estar mais ciente do que qualquer outra pessoa das sucessivas crises de suprimentos que temos sofrido recentemente: a pandemia da COVID-19,, o gargalo do Canal de Suez, a guerra na Ucrânia e, agora, a desaceleração do Canal do Panamá.

Todos eles têm consequências semelhantes na cadeia de suprimentos. Aqui estão algumas delas.

As compras por precaução são a ordem do dia

Todas as interrupções mencionadas acima reforçaram o modelo de aquisição Just in Case em vez do modelo Just in Time. Em outras palavras, muitas empresas estão provisionando em excesso para o caso de eventos inesperados. Essa estratégia pode dar certo ou errado. Tenho amigos que jogam roleta e, às vezes, eles ganham… mas você certamente está à mercê da sorte.

Além das compras especulativas, as crises anteriores nos ensinaram o risco de que essas compras Just in Case causem um touro efeito chicote prejudicial. A demanda regular do mercado é transformada em ondas, o que deixa o fornecedor inseguro quanto ao que está enfrentando, e ele acaba inflando suas previsões e, portanto, seus suprimentos. O resultado disso é o excesso de estoque, que penaliza os estoques e, muitas vezes, resulta em produtos obsoletos.

Aumento do prazo de entrega

O aumento dos prazos de entrega também é uma consequência comum das interrupções na cadeia de suprimentos. Isso é exemplificado na crise do Canal do Panamá, pois os navios estão enfrentando semanas de atraso.

Quanto mais tempo um navio leva para passar pelo canal, maior é o tempo de entrega das mercadorias que ele está transportando. E quando os prazos de entrega aumentam, aumentam também os níveis de estoque de ciclo (“preciso fazer o pedido para cobrir um período de tempo maior”) e o nível de estoque de segurança (“preciso fazer mais pedidos, pois há mais chances de atraso”). Dessa forma, vemos que o estoque e a quantia de dinheiro que investimos nele aumentam.

Aumentos generalizados de preços

Esse problema de oferta inevitavelmente leva a preços mais altos. E o que acontece se o valor das mercadorias aumentar? Você vai precisar investir mais ou reduzir seus níveis de estoque para não aumentar seu investimento em capital de giro.

Continuando com a narrativa da inflação, qual é a ação natural dos governos e dos bancos centrais para conter os preços? Bem, aumentar as taxas de juros, é claro… o que também força o aumento do valor do seu investimento em estoque.

Caso você não esteja em condições de aumentar o investimento em estoque, a redução de itens em seu inventário geralmente resultará nos seguintes cenários:

Redução forçada de referências no portfólio

Você reduz o número de itens que oferece em seu portfólio, deixa de estocar alguns itens e começa a trabalhar com base em pedidos sob encomenda. A famosa frase “Não tenho agora, mas farei o pedido para você e o terei aqui em alguns dias” é um produto desse método de trabalho sob encomenda.

Redução forçada de estoque para produtos de portfólio

A redução do número de unidades que você mantém de seus itens pode resultar em uma diminuição do nível de serviço que você pode oferecer aos seus clientes. Entretanto, se você classificar seus itens do mais importante para o menos importante – com base na análise ABC e reduzir a cobertura dos menos importantes, seus clientes serão menos afetados por essa medida.

 

Como a seca do Canal do Panamá afeta o comércio?

A partir das reflexões que apresentei no caso de fenômenos como a desaceleração do Canal do Panamá, podemos tirar algumas conclusões:

Se possível, evite estocar o Just in Case

As estratégias “Just in Case” podem nos levar a estocar os itens errados e resultar em um depósito saturado que acabará com o estoque tendo que ser liquidado por meio de promoções.

Proteja-se contra o efeito chicote

Você deve evitar essa distorção modificando a demanda registrada ou removendo os períodos de demanda anormal da série histórica.

Analise sua política de fornecedores

Leve em conta os longos prazos de entrega de determinados fornecedores, que fazem com que os estoques aumentem desproporcionalmente. Você já explorou fornecedores alternativos? É possível fazer acordos com eles para que o fornecedor seja aquele que acumula o estoque perto de suas instalações?

Inflação e altas taxas de juros

Esses dois fenômenos aumentam o custo do capital de giro. Deve-se considerar cuidadosamente as formas de reduzir esse valor por meio de medidas estratégicas que não afetem o nível de serviço aos seus clientes.

Mas depois de todas essas reflexões, não posso deixar de pensar: “Gostaria que minha história do Panamá tivesse permanecido com a visita ao meu amigo!”

New call-to-action

Selecione sua localização para ver o conteúdo específico para seu país

x