Otimização de estoque com a Slimstock

Custo de estoque: o que é e como calcular

Calcular o custo de estoque é fundamental para se ter noção de quanto custa uma parte crítica da operação em supply chain. E é também necessário para se conseguir calcular o lote econômico de compra (LEC ou EOQ, em inglês), que serve para dizer o quanto e quando comprar. Para calcular os custo total de estoque faz-se uma soma simples entre três variáveis:

  1. o custo dos pedidos
  2. o custo dos ajustes; e,
  3. o custo de manutenção do estoque.

Quando expresso em uma fórmula, fica assim:

Fórmula de custo total de estoque

Vejamos o que são cada um dos elementos que compõem a fórmula do custo do estoque.

Custo dos pedidos

Refere-se a todos os custos envolvidos nas ordens. Seja fixo ou variável, desde os custos de transporte até os custos administrativos de entrada no depósito. Ser capaz de definir todos esses custos envolvidos não é uma tarefa difícil. Entretanto, colocar um valor efetivo em cada um deles pode ser uma tarefa titânica. De uma maneira simples, podemos supor que o custo de fazer um pedido é igual ao custo total do departamento de compras, dividido pelo número total de pedidos. Com essas informações, podemos calcular um valor aproximado para os tamanhos de lote. Isso não significa que não possamos incorporar novas variáveis ​​de custo para enriquecer o cálculo.

Custo dos ajuste

Quando a empresa que estamos analisando tem um ambiente de produção, devemos adicionar os possíveis custos de ajuste. Em outras palavras, os custos de colocar um novo lote ou produto em uma máquina. Isso pode incluir custos administrativos, embora geralmente se refira ao custo da máquina que não está produzindo. Também inclui as horas de trabalho dos operadores que as máquinas precisam para produzir um produto diferente. Inclui até o custo de "aquecer" a linha de produção. Este último refere-se ao tempo que leva a máquina para produzir produtos com a qualidade desejada.

Custo de estocagem

Quando falamos de custo de estoque, temos que nos referir aos seus três componentes conhecidos como regra CER: Capital, Espaço e Risco.

Custo de capital

Para muitas empresas, calcular esse custo é um desafio, pois se refere aos custos de manutenção do capital de giro. Em outras palavras, o que ele poderia ter feito com esse dinheiro se tivesse investido em outra coisa? Algo como o custo de oportunidade. Infelizmente, nem os controladores das empresas podem fornecer um valor imediato, apesar de serem as pessoas mais capazes para fazê-lo. O que está claro é que esse custo deve ser ainda maior do que a taxa de juros atual da empresa. Pelo menos em vários estudos, foi demonstrado que pode estar entre 8% e 15% do total.

Custo do espaço

Este custo também pode ser difícil de calcular, uma vez que os custos de armazenamento, provisões, pessoal, automação, etc. devem ser considerados. No entanto, o valor de mercado cobrado pelo aluguel dos m2 em um depósito é comumente usado. Isso porque assumimos que esse valor envolve todos os fatores a serem avaliados.

Custo do risco

O risco é um fator fortemente relacionado aos produtos e fala sobre o risco de uma obsolescência potencial. Por exemplo, em uma empresa de tecnologia, os níveis de risco serão consideravelmente maiores do que os de uma matéria-prima. O valor aceitável pode ser em torno de 10%, embora seja claramente muito mais eficiente ter um% de risco por indústria ou mercado. Dentro deste percentual de risco, os custos de seguro, potencial roubo, dano, perda, deterioração, antiguidade, etc., devem ser incluídos.

Um exemplo prático de custo de estoque

O custo de estoque pode ser expresso por uma porcentagem anual. A vantagem de se olhar desta forma é evidenciar o custo proporcionalmente ao valor de estoque, dando aos gestores uma visibilidade que permite a tomada de decisões na direção do aumento da lucratividade da empresa.

Supondo um valor total de estoque de R$ 1 milhão (preço de compra), um custo de capital de 15%, custo de armazenagem de R$ 110 mil, custo de obsolescência de R$ 50 mil e custos com seguro de 2%. O custo do estoque será de R$ 320 mil, correspondendo a 32% do valor do estoque. Veja a tabela abaixo.

 

 

Quer saber mais?

Como especialistas em otimização de estoques, temos um material exclusivo que explica com mais detalhes Qual o custo real de um estoque?, explicando tudo através de um exemplo prático e mostrando com é possível fazer aparecer dinheiro de onde antes parecia não haver. Se você é profissional na área, deve ver esse material.

Qual o custo real de um estoque?

Veja também: Como calcular o Lote Econômico de Compra (LEC ou EOQ) e o Estoque de Segurança >>

Na Slimstock, analisamos mais de 100 cadeia de suprimentos por ano. Com base na combinação única de nosso conhecimento, experiência, e ferramentas, podemos rapidamente ver o que é possível e o que deve ser feito. Mesmo antes dos dados mostrarem. Nós chamamos de Supply Chain Physics. Com esse recurso exclusivo, podemos auxiliar sua empresa a criar um roteiro de prioridades: um mapa que faça seu trabalho valer a pena.

Desde 1993, a Slimstock tem sido sinônimo da melhor previsão de demanda, da mais eficiente gestão de estoque, de uma clara análise de estoque e de um estoque confiável. Temos mais de 1000 clientes em todo o mundo que incluem grandes, médias e pequenas empresas.

 


Veja as soluções que a Slimstock tem à disposição da sua empresa para controle e otimização de estoques.

 

 

 

 

 

SHARE: