Selecione sua localização para ver o conteúdo específico para seu país

x

Gestao De Estoque Sazonal

A sazonalidade pode ter um impacto enorme nos padrões de demanda. Esses podem expor as empresas a riscos de ruptura que deixam seus clientes insatisfeitos.

A sazonalidade pode ter um impacto enorme nos padrões de demanda. Pois, a menos que planejado corretamente, esses podem expor as empresas a riscos de ruptura de estoque que deixam seus clientes nada satisfeitos. Além disso, sem uma boa visibilidade das mudanças que a sazonalidade pode causar na demanda, as empresas correm o risco de se expor a níveis excessivos de estoque, os quais podem exigir um gasto desnecessário de recursos. E isso sem falar no enorme impacto financeiro que todo o estoque obsoleto terá ao ser descartado ao final da temporada.

Adaptando as previsões para levar em conta a sazonalidade, é possível responder a tempo a essas mudanças na demanda. Isso permite ter níveis ótimos de estoque antes, durante e após o pico sazonal: manutenção do custo de estoque em um nível mínimo e, ao mesmo tempo, garantia de um alto nível de serviço.

Para conseguir isso, há muitos fatores a serem considerados. Por exemplo, a sazonalidade causou mudanças na demanda no passado? Como prever padrões de demanda sazonais para novos itens? A sazonalidade tem impacto em grupos de produtos ou apenas em itens individuais? Esse impacto é apenas local ou também nacional?

O nível de estoque ótimo para atender a sazonalidade da demanda

Um exemplo prático

Imagine que se tenha 150 televisores em estoque com uma média de vendas de 100 unidades por período e uma quantidade mínima de pedidos de 20 unidades. O prazo de entrega (lead time) é de 7 dias, e como não se deseja decepcionar os clientes com rupturas, é preciso ter um estoque de segurança de 50 unidades. Quando é momento certo de fazer o pedido e quanto se deve pedir?

A teoria do processo de pedido

A maneira mais lógica de calcular as necessidades é a seguinte: em média, vende-se 100 unidades por temporada, o que equivale a 25 por semana. Em 4 semanas o estoque de segurança será atingido. Portanto, para evitar a venda do estoque de segurança, deve-se fazer o novo pedido na semana 3.

Como espera-se vender outras 25 unidades na semana 4, esse pedido dobra a QMC (quantidade mínima de compra). Ou seja, decide-se encomendar 40 novos televisores na semana 3.

O processo do pedido na vida real

A situação descrita acima é fácil de prever. No entanto, isso não é realista. Os padrões de demanda geralmente não são estáveis, como nesse exemplo. O que aconteceria se a demanda estivesse sujeita a uma tendência? Haverá estoque suficiente se houver uma demanda de pico inesperada? Como lidar com as mudanças causadas pela sazonalidade?

A demanda sazonal

Durante os meses de verão, a demanda por antigripais é menor, enquanto a de churrascos, por exemplo, cai no inverno. Não é necessário ter grandes recursos tecnológicos para perceber isso. Sabe-se que esses itens possuem um padrão sazonal. No entanto, não sabemos exatamente quando a temporada começa, porque depende, por exemplo, do clima. Além disso, um dia de junho com apenas 20 graus pode ser que muitas pessoas queiram fazer churrasco, já que estão fartas do frio do inverno e são mais apetitosas. No entanto, 3 meses depois, esses 20 graus serão percebidos como frios, mesmo que o dia esteja ensolarado.

Como resultado desse comportamento, é preciso reconhecer a influência sazonal na demanda e o perfil disso no curto prazo. Por exemplo, se a temperatura atingir 30 graus no início de outubro, é muito provável que haja um aumento de vendas para churrascos. Mas se cair para 15 graus em agosto, certamente essa mudança terá um impacto menos significativo, já que já ocorre no final da temporada. E ainda mais, com o final da temporada à vista é mais provável encontrar mais incertezas.

Quando a temporada realmente termina? Churrascos, por exemplo exemplo: quando se deve remover produtos como lingüiças e ferramentas de churrasco? Reduz-se custos ao remover esses produtos? Ou aceita-se o risco de mantê-los por mais tempo (suportando níveis excessivos de estoque) para não decepcionar nenhum cliente?

A fim de garantir um alto nível de serviço e baixos custos de estoque durante a temporada, é muito importante introduzir e retirar os produtos em tempo oportuno.

Boas práticas para garantir o estoque ótimo antes, durante e depois das temporadas

  1. Melhorar o qualidade das previsões (incluindo mais influências externas nas previsões de curto e de longo prazo; limpando os dados históricos de eventos e promoções; calculando, então, o desvio e, com base nesse, estabelecer a previsão).
  2. Desenvolver uma estratégia de inventário específica, por exemplo: aumentar o estoque inicial para lidar com um pico inesperado de demanda no futuro próximo.
  3. Revisar a Quantidade Mínima de Compra (QMC) e Lote Econômico de Compra (LEC ou EOQ). Será preciso aumentar ou diminuir as quantidades de compra para cobrir certos riscos?
  4. Alterar o nível do estoque de segurança para certas partes da temporada.

6 pontos para atenção constante

  1. Gerenciamento de sortimento: decidir quais itens terão políticas de estoque diferenciadas ao longo do ano por causa da sazonalidade.
  2. Apresentar quais itens apresentam sazonalidade: com itens sazonais, haverá um alto desvio em relação à demanda passada. Isso resulta em um alto nível de estoque de segurança. Ao considerar esses desvios da demanda, suportar um nível tão alto de estoque de segurança não é o ideal. Além disso, é importante corrigir o histórico de vendas para se adaptar aos padrões sazonais de demanda. Dessa forma, se trabalhará com uma imagem realista da sua demanda histórica, que permitirá que a redução do estoque de segurança. Ao comprar itens para os períodos entre estações, usar um estoque dinâmico para padrão sazonal.
  3. Limpar padrões sazonais de promoções/eventos: ao se fazer uma promoção ou um evento nos últimos dois anos, pode ser que isso pareça como dados sazonais. É por isso que é importante separar padrões sazonais da influência de promoções e eventos. Caso não se limpe os dados e decida-se por não realizar a promoção ou evento no terceiro ano, a previsão ficará distorcida.
  4. Previsão local: ao prever a demanda por churrascos para uma cidade específica na qual se vende apenas 5 unidades, tal população é muito pequena para se fazer uma previsão estatística confiável. Nesse caso, é melhor coletar dados de uma área mais ampla, o que fornecerá mais informações sobre as quais decisões poderão se basear.
  5. SKUs versus grupos de itens: Quando um produto é lançado, tem-se informações insuficientes para se fazer uma previsão confiável. Nesse caso, é preciso usar um padrão sazonal de produto semelhante ou um grupo de produtos semelhantes. Portanto, é importante calcular a previsão sazonal para diferentes níveis hierárquicos. Um exemplo com produtos de ar condicionado: deve-se dividi-los em produtos de calor e frio, e não se pode colocá-los juntos quando se trata de uma previsão de demanda. É por isso que é importante entender bem o conceito de agregação!
  6. Gerenciamento de eventos: a diferença entre uma temporada e um evento é que o evento não pode ser colocado em um calendário. Por exemplo: o Natal deve sempre ser marcado no mesmo dia, mas a realidade é que há muitos dias da semana envolvidos e o comportamento das compras não se repete exatamente de um ano para o outro. A Semana Santa também cai todos os anos num dia diferente da semana. Observando esses exemplos, pode-se notar que o pico de demanda pode ser deslocado algumas semanas antes ou depois.

Fale com um especialista e veja como superar os desafios de estoque

especialista-planejamento-de-demanda-gestao-de-estoque

Luis Talib

Call_icon mail_icon LinkedIn_icon