Otimização de Estoque - Slimstock

Otimização de Estoque: estoque justo com nível de serviço desejado

Seja qual for o setor, as empresas têm necessidades diferentes quando se trata de gerenciar seus estoques. No entanto, todos compartilham uma necessidade comum: ter o estoque ideal de acordo com sua atividade. Neste artigo, três desses setores são analisados: varejo, distribuição farmacêutica e atacadistas de autopeças. Nas linhas a seguir, trataremos da otimização de estoque do ponto de vista do gerenciamento de estoques, seus pontos em comum e suas características particulares.

Otimização de estoque: qual é o objetivo?

A otimização de estoque é um processo cujo objetivo é atingir a máxima disponibilidade de estoque com o investimento mínimo. Em outras palavras, trata-se de ter o estoque certo para oferecer o nível de serviço desejado em todos os momentos para todos os nossos itens. Uma definição curta, mas na prática requer abordagens diferentes dependendo do tipo de empresa e setor em questão. Nesse sentido, podemos nos fazer uma pergunta: quem tem a necessidade de otimizar estoque?

A resposta é que, em princípio, tem necessidade de otimizar estoque toda empresa que trabalhe com itens em estoque e com demanda independente, ou seja, não sabe quais itens e em quais quantidades serão demandadas. Caso contrário, um inventário não ótimo causa sérias dificuldades do ponto de vista operacional e financeiro. As falhas produzem perda de vendas e até de clientes, enquanto as ações imobilizam nosso capital.

Além disso, um excesso de estoque gera obsolescência, o que destrói a rentabilidade da empresa. Se somarmos a esses fatores a atual situação econômica, a otimização se torna mais do que importante, essencial. No entanto, é comum que as empresas gerenciem seus estoques levando em conta as previsões da demanda gerada por seus sistemas ERP e/ou por suas equipes comerciais. Infelizmente, esse modo de trabalho não possui os modelos apropriados de cálculo de previsão e estoque de segurança que permitem uma gestão de cada item. Resultado: incontáveis ​​horas de trabalho que no final dão um resultado ruim.

A cadeia de suprimentos no varejo, na distribuição farmacêutica e na reposição automotiva

O que uma cadeia de varejo, um distribuidor farmacêutico e um atacadista de autopeças têm em comum? De imediato, está claro que todos compartilham uma necessidade: trabalhar com um estoque ótimo.

Para todos eles, uma falha é uma falha, o excesso de estoque é excessivo e um obsoleto é obsoleto. No entanto, cada um deles tem particularidades que devem ser levadas em conta para alcançar uma otimização de estoque de acordo com o seu negócio. Tanto o número de itens que gerenciamos quanto o número de pontos de estoque com os quais trabalhamos dificultam o gerenciamento do inventário à medida que esses aumentam.

Cada item apresenta um comportamento específico em cada local e, portanto, sua previsão e o estoque ótimo devem ser calculados em cada um deles. As empresas que mais enfrentam dificuldades são aquelas que gerenciam milhares e até milhões de SKUs. No caso em questão, tanto os varejistas quanto os distribuidores de produtos farmacêuticos e autopeças gerenciam um grande número de itens e vários pontos de venda, o que pode significar milhões de SKUs em alguns casos. Portanto, quanto mais itens, mais complexidade. Quanto mais complexidade, mais necessidades de informação. E quanto mais informações forem necessárias, mais tempo precisaremos investir no gerenciamento de itens. Então, a próxima pergunta é: como reduzimos a complexidade, aumentamos as informações disponíveis e melhoramos o rendimento do tempo investido?

A demanda e o ciclo de vida do produto

Todos querem trabalhar apenas com itens de alto giro e alta margem, porém, a própria natureza do negócio e o ciclo de vida de seus produtos exigem que as empresas mantenham diferentes composições de alta, média e baixa rotatividade. No caso dos varejistas, a dinâmica de seus negócios significa que sua tendência é manter itens com alta giro, que normalmente chegam em seus centros de distribuição, embora em seus pontos de venda encontremos novamente comportamentos erráticos e irregulares.

Na distribuição farmacêutica, encontramos uma combinação de itens de alto, médio e baixo giro. Embora, teoricamente, haja um claro potencial em melhorar a composição do sortimento, as imposições da demanda do mercado são determinantes.

Já no cenário de atacadistas de peças de reposição, a situação é mais complexa. A natureza da peça de reposição faz com que os distribuidores deste setor trabalhem com muitos itens de demanda lenta ou irregular, com o agravamento de trabalhar com ciclos de vida muito longos, favorecendo o famoso efeito Cauda Longa. Nesse caso, é importante monitorar de perto a tendência (negativa) desses itens, interrompendo-os a tempo e, assim, evitando que se tornem obsoletos.

Introdução de novos produtos e promoções

Se compararmos os três setores, enquanto um varejista lança vários catálogos por ano e oferece inúmeras promoções; um distribuidor de peças sobressalentes tem a obrigação, pelo menos do ponto de vista do seu negócio, de manter um item em estoque por muitos anos; enquanto a distribuição farmacêutica estaria no meio desse espectro. Isso significa que, para um varejista, a introdução de novos produtos e o gerenciamento de promoções são aspectos da maior importância. A renovação de uma grande parte da sua gama cada poucos meses e o lançamento de promoções constantes tornam necessário que o sistema de otimização de estoque permita a introdução de novos itens e promoções simplesmente tendo em conta promoções anteriores e produtos substitutos ou relacionados.

Na distribuição farmacêutica e nos atacadistas de peças de reposição, a introdução de novos produtos e promoções é menos frenética, mas ainda é muito importante. Com base em tudo isso, devemos confirmar se temos alguma maneira de gerenciar a introdução de novos produtos. E uma boa maneira é nos fazer as seguintes perguntas:

  • Podemos copiar o histórico de demanda de itens substitutos ou predecessores?
  • E a gestão de promoções e outras ações comerciais?
  • Como podemos incluir a demanda adicional de uma promoção futura à previsão existente?
  • Consideramos o efeito da canibalização que o item promocional pode ter em outros produtos?
  • Consideramos o comportamento pós-promocional?
  • Somos capazes de separar a demanda promocional da demanda histórica normal, para que as promoções não influenciem no cálculo da previsão da demanda nor ciclos futuros?

Garantir a alta disponibilidade

Embora garantir alta disponibilidade seja importante para qualquer setor, para um varejista é fundamental, já que a falta significa uma venda perdida. Isso piorou nos últimos anos com o aumento das compras pela internet. Os varejistas que não possuem vendas on-line competem com websites que oferecem sortimentos muito amplos com disponibilidade imediata. E se eles têm uma loja on-line, eles têm que conseguir exatamente isso: ser capaz de oferecer amplos sortimentos imediatamente disponíveis.

No caso de distribuidores farmacêuticos e atacadistas de peças de reposição, as rupturas também resultam em perda de vendas. Como posso evitar falhas? Como a empresa pode perceber que um item tem pouco estoque? A empresa possui alertas antes do período da próxima compra, para que possa reagir preventivamente para evitar rupturas? A empresa detecta itens com excesso de estoque? Ou com o risco de se tornarem obsoletos? Qual é a relação entre a disponibilidade de um item e o estoque necessário para garantir essa disponibilidade? Qual é o estoque ótimo?

 

Somos especialistas na gestão de estoques. Veja como a Slimstock pode auxiliar sua empresa

 

 


Veja as soluções que a Slimstock tem à disposição da sua empresa para controle e otimização de estoques.

 

SHARE: